Wednesday, May 16, 2007

NOITES

Recostada na cama com o DVD player sobre os joelhos sinto o calor da chávena de Ceylon Orange Pekoe Tea, nas mãos, açucarado sem remorso com dois cubos e finjo que a ventoinha não está ligada e que o vento é vento e que faz frio. Coloco o “Wicker Park”. Depois de 45minutos a imagem começa a parar e o pequeno monitor enche-se de quadradinhos verdes. Mathew, Mathew, Lisa… desisto.

Recostada na cama com a segunda chávena de Ceylon Orange Pekoe Tea açucarado sem remorso com mais dois cubos, rodo a ventoinha para o 4 e finjo que está mesmo frio. Coloco o “Love me if you dare”, uma “imaginative cinematic bravura” de acordo com Kevin Thomas do Los Angeles Times, que deve ser considerado um intelectual lá na terra dele porque lê filmes com legendas e utiliza termos como cinematic bravura. Depois de 30 minutos a imagem começa a parar e o pequeno monitor enche-se de quadradinhos verdes. Julien, julien, Sophie… desisto.

Recostada na cama com a terceira chávena desta vez de China Lichee Black Tea açucarado timidamente com dois cubos, rodo a ventoinha para o 5 e coloco o “The door on the Floor”. A imagem pára ao fim de 10 minutos. Dou estalinhos com os dedos em frente ao ecran e digo a mim mesma que ao terceiro o filme volta a andar. A coisa resulta durante os 10 minutos seguintes. A ventoinha faz um barulho louco e mexo-me para reduzir a velocidade e sem querer desligo o DVD. Volto a ligar mas o CD não é reconhecido. Ted, Ted, MArion… desisto.

Recostada na cama com a quarta chávena de chá desta vez de Lady Grey Tea açucarado com um enorme peso na consciência e seis gotas de adoçante, coloco o “Sideways”. Parece-me ridículo e o som está péssimo. Resisto durante 7 minutos. Não ouvi o nome das personagens mas… desisto.

Com uma dor terrível nas costas, da posição em que me mantive, mais ou menos gelada pela exposição directa à ventoinha, e a doerem-me os olhos pela proximidade do ecran, apago a luz e deito-me com teína e açúcar a correr-me pelas veias. Estou completamente desperta. São 2 da manhã. Após uma hora e meia e 3 idas à casa de banho, pego no “Codex 632” e sento-me a ler. Ao terceiro parágrafo sobre criptografia, adormeço docemente com um tédio profundo.
Isto sim, é serviço público.

Obrigada Sr. Santos.

4 Comments:

Blogger Eva Lima said...

A foto é inspiradora! Com ou sem chá de lúcia lima

5/16/2007 11:21 pm  
Anonymous Suzanne said...

:) Sempre gargalhada garantida a ler estas tuas passagens!

5/16/2007 11:36 pm  
Blogger umademim said...

posso mandar-te um email?

5/17/2007 11:33 am  
Anonymous mmux said...

como já vou no terceiro dêvêdê plaier posso-te afiançar que o problema não está no dêvêdê, está no plaier. vem a dili comprar outro que ainda te ofereço um pacotinho de chá novo, todo escrito em chinês - acho que é chá - apanhado fresquinho no free shópe de hongue kongue.

5/22/2007 3:35 am  

Post a Comment

<< Home