Thursday, August 10, 2006

BALI

Sabemos que pertencemos a um local, quando:
ao chegarmos detectamos pela expressão qual será o funcionário que nos verifica o visto com maior rapidez;
olhamos com superioridade os outros passageiros que procuram o tapete da bagagem;
aceitamos com naturalidade a perca de uma mala;
não fazemos câmbio e vamos directas ao ATM que dá notas de 100.000;
temos gente à espera que nos trata pelo primeiro nome;
ficamos num hotel onde encomendamos room service ao fazer o check in ainda na recepção e sem olhar a lista;
andamos na rua e gritam-nos “Welcome back”;
damos instruções a taxistas desorientados;
viramos as costas quando se tem que negociar um preço;
ouvimos dos lojistas “no, no, you bought that one last time”…

Não me faz falta Portugal, fazem-me falta os afectos e a familiaridade. O reconhecer e ser reconhecida. Os sorrisos quando chego. O adeus cantado quando parto; porque há momentos na vida em que a casa não é onde está o coração. Porque o coração divide-se infinitamente por aqueles com quem nos cruzamos, e cada um leva um pedaço. E cada um vai para um sítio diferente. E assim nós pertencemos a toda a parte. E a questão é definir uma ordem de prioridade nos afectos, combinando-a com um processo mais ou menos racional de selecção. E tudo seria mais fácil se esta frase fizesse sentido…

E segunda-feira, Timor…

3 Comments:

Blogger Jana said...

Nos afectos nem tudoé racional ou faz sentido. O importante é que levando um pouco do coração para sitios diferentes apenas mostra o quão grande ele é!
Bolas, ja tenho muitas saudades vossas. :-)
Beijinhos do outro lado do mundo.

*SMUACK*

8/11/2006 9:09 am  
Blogger alexandra said...

xoxo

8/11/2006 11:45 am  
Blogger Jana said...

:-)

8/11/2006 6:32 pm  

Post a Comment

<< Home